O paraquedismo

A história do paraquedas

A mais antiga descrição de um paraquedas de um autor anônimo, British Museum Add. MSS 34,113, fol. 200v

Segundo a literatura, o paraquedismo começou na China, há 2000 anos.1 A primeira tentativa foi a construção de um tipo de guarda-chuva que usavam para pular de torres e penhascos. Em 852 d.c. em Córdoba, Espanha, um muçulmano chamado Armen Firman, construiu asas para planar, pulando de uma torre. Armen pousou com pequenos ferimentos, graças a sustentação de sua asa.2

O primeiro indício para o paraquedas no mundo ocidental remonta ao período da Renascença. O projeto mais antigo paraquedas aparece em um manuscrito anônimo da década de 1470 da Itália Renascentista, mostrando um homem livre pendurado segurando um quadro de barra transversal conectado a uma cobertura cónica. Como medida de segurança, quatro cintas descem a partir das extremidades das hastes com um cinto. O design é uma melhoria acentuada em detrimento de outro folio que retrata um homem que tenta quebrar a força de sua queda por meio de duas fitas de pano longa presa a duas barras que ele agarra com as mãos. Embora a área de superfície do desenho do paraquedas parece ser pequeno demais para oferecer resistência eficaz ao atrito do ar e a base de madeira é supérfluo e, potencialmente, prejudicando, o caráter revolucionário do novo conceito é óbvio.

Apenas um pouco mais tarde, um paraquedas mais sofisticado foi esboçado pelo sábio Leonardo da Vinci datado de 1485. Aqui, a escala do paraquedas está em uma proporção mais favorável para o peso do jumper. A cobertura de Leonardo foi mantida aberta pela uma moldura quadrada de madeira, que altera a forma do paraquedas de cônica a piramidal. Não se sabe se o inventor italiano foi influenciado pelo projeto anterior, mas ele pode ter aprendido sobre a ideia através da comunicação intensiva oral entre engenheiros-artistas da época. A viabilidade do projeto piramidal de Leonardo foi testada com sucesso em 2000 pelo inglês Adrian Nicholas e novamente em 2008 por outro paraquedista. Segundo o historiador da tecnologia Lynn White, estes projetos cônicos e piramidais, muito mais elaborados do início saltos artísticos com guarda-sóis rígida na Ásia, marca a origem de "paraquedas como a conhecemos".

Veneza inventor Fausto Veranzio (1551-1617) examinou um esboço de paraquedas de Da Vinci, e partiu para programar um de seus próprios. Ele manteve a moldura quadrada, mas substituiu a cobertura de com um pedaço saliente de algo semelhante à vela de pano que ele veio a perceber a desacelerar a queda de forma mais eficaz. A representação agora famosa de um paraquedas que ele apelidou de Homo Volans (homem voador) apareceu em seu livro sobre mecânica em 1595, ao lado de uma série de outros dispositivos e conceitos técnicos. Em 1617, Veranzio programou seu projeto e testou o paraquedas, saltando de uma torre em Veneza.

Paraquedas modernos

Meados do Século XVIII e XIX

Louis-Sébastien Lenormand salta da torre do observatório Montpellier, 1783. Ilustração do final do século XIX
Representação esquemática do paraquedas de Garnerin, de uma ilustração início do século XIX

O paraquedas moderno foi inventado pelo francês Louis-Sébastien Lenormand, que fez o salto registrado primeira vez em público em 1783. Lenormand também esboçou o seu dispositivo de antemão. Dois anos depois, Lenormand inventou a palavra "paraquedas" por hibridação.

Também em 1785, Jean-Pierre Blanchard demonstrou como um meio seguro de desembarcar de um balão de ar quente. Enquanto primeiras demonstrações de Blanchard de paraquedas foram realizadas com um cachorro como o passageiro, mais tarde ele teve a oportunidade de experimentá-lo nele mesmo em 1793 quando seu balão de ar quente rompeu e ele usou um paraquedas para escapar.

Um desenvolvimento posterior do paraquedas focado nisso tornando-se mais compacto. Enquanto o paraquedas no início era feito de linho esticado sobre uma moldura de madeira, no final da década de 1790, Blanchard começou a fazer paraquedas de seda dobrada, aproveitando a força de seda e peso leve. Garnerin também inventou o paraquedas ventilado, o que melhorou a estabilidade da queda.

Vésperas da Primeira Guerra Mundial

Em 1911, um teste bem sucedido foi feito com um manequim na torre Eiffel, em Paris. O peso do manequim era de 75 kg,o peso do paraquedasera de 21 kg. Os cabos entre o manequim e o paraquedas tinham 9 m de comprimento. No ano seguinte, Franz Reichelt faleceu, ao saltar da Eiffel torre para demonstrar seu paraquedas.

Também no mesmo ano, Grant de Morton deu o seu primeiro salto de paraquedas de um avião, um Wright Modelo B, em Venice, na Califórnia. O piloto do avião foi Phil Parmalee. O paraquedas de Morton era do tipo "jogar fora", onde ocupou a calha em seus braços quando ele saiu da aeronave. No mesmo ano, um russo Gleb Kotelnikov inventor inventou o paraquedas-mochila, embora Hermann Lattemann e sua esposa Käthe Paulus saltaram com um paraquedas ensacado ainda na última década do século 19.

Em 1912, numa estrada perto de Tsarskoye Selo,  São Petersburgo, Kotelnikov demonstrou com sucesso os efeitos de travagem do paraquedas ao acelerar um automóvel à velocidade máxima, e em seguida, abrindo um paraquedas anexado ao banco de trás, assim, inventando também o paraquedas que atualmente é usado para parar jatos.

Štefan Banič, na Eslováquia, inventou o paraquedas usado ativamente, patenteado em 1913. Em 21 de junho de 1913, Georgia Broadwick tornou-se a primeira mulher a saltar de paraquedas de uma aeronave em movimento, em Los Angeles.

Primeira Guerra Mundial

O primeiro uso militar para o paraquedas foi para uso de detetores de artilharia amarrados em balões de observação na Primeira Guerra Mundial. Os balões eram  alvos tentadores para os aviões de combate do inimigo, embora difíceis de destruir, devido às suas pesadas defesas antiaéreas. Uma vez que os balões dificilmente poderiam escapar-se aos ataques e sendo muito perigosos quando o hidrogénio contido no interior, os tripulantes abandonavam os mesmos através de paraquedas, assim que avistavam aeronaves inimigas. Os tripulantes fechavam o cinto do paraquedas e ao saltarem , uma tira puxava o paraquedas ( abertura automática). Este tipo de paraquedas foi adotado pela primeira vez em larga escala pelos alemães para as suas tripulações de balões de observação, e mais tarde pelos Britânicos e franceses para as suas tripulações de  balões de observação. Embora este tipo de unidade funcionasse bem de balões tinha resultados mistos quando usado em aeronaves de asa fixa pelos alemães onde o saco era armazenado num compartimento atrás do piloto. Em muitos casos em que não funcionaram as tiras extratoras, enleavam-se na aeronave girando.

Evolução

Paraquedista dos Marinescom um paraquedas militar.

Com a formação de unidades especializadas em salto (paraquedistas) a Força Aérea de quase todos os países dispõe assim de uma possibilidade de colocar tropas no solo a partir do céu, possibilitando-as de serem transportadas mais rapidamente.

Com novas opções de utilização do paraquedismo, começaram a aparecer várias modalidades desportivas, e o paraquedas evoluiu em vários sentidos: de abertura automática (tipicamente para uso militar)

Tipos de paraquedas

Militares a usar o paraquedas de abertura automática, lançados a partir de um Hércules C-130.

Abertura automática

Este tipo de paraquedas está preparado para ser engatilhado por um gancho que, amarrado a um cabo resistente,que  irá abrir o paraquedas depois do salto com a tensão no cabo resultante do afastamento do paraquedista em relação ao avião. Este tipo de paraquedas permite, assim, saltos de baixa altitude, já que o paraquedas é aberto quase instantaneamente.

Este tipo de paraquedas redondo não é muito manobrável e é utilizado especialmente para a largada de militares em alvos bem específicos.

Sistema de liberação de um paraquedas

 

Parapente

Um paraquedista da equipa Leap Frogs (Marinha dos EUA)

O parapente é um planador ultra leve flexível que evoluiu do paraquedas. Apesar dessa ideia ter pertencido inicialmente ao americano Barish, foram três paraquedistas franceses que iniciaram a modalidade em Mieussy. Parapente é a junção de "Para" de paraquedistas com o termo "pente", que em francês significa encosta. Evoluindo do paraquedismo, o parapente passou a integrar os desportos aéreos de voo livre conjuntamente com a asa delta e o planador.

Para uma maior segurança do paraquedista, existe um dispositivo de abertura automática do paraquedas (DAA ou Automatic Activation Device - AAD em inglês), existindo em diversos modelos (CypressFXC e Vigil entre outros) de diferentes fabricantes. É um altímetro digital e velocímetro que, em queda livre, estabelece uma relação entre altitude e velocidade e estipula uma altura mínima para abertura do paraquedas, ou seja, se por acaso o paraquedista enfrentar problemas no salto, tal como desmaios ou um enrolamento muito intenso, ao chegar a uma altitude pré-determinada o paraquedas de reserva é acionado automaticamente.

 

 

O que pensas, quando pensas em paraquedismo? Descobre o que fazemos.

 

Podiamos exlicar-te a bonita história do paraquedismo e como tudo começou, tanto a nível nacional como a nível internacional, mas o que te vem à cabeça quando ouves as palavras paraquedismo ou paraquedista?

 

Provavelmente pensas em paraquedistas militares, vestidos de verde com enormes páraquedas às costas ou até na barriga. Pensas em páraquedas redondos?  E estás certo. O páraquedismo tem muito a ver com as forças militares e durante muito tempo foi quase exclusivo dos militares. Mas será que pensas em queda-livre?

 salto paraquedas automatico paraquedas redondo

Existe outro tipo de paraquedismo.....o paraquedismo civil, com caracteristicas desportivas e recreacionais. Ou seja, cujo principal objectivo é a diversão. Caracteriza-se pelo uso de páraquedas direccionaveis, que chamamos com muito gosto, de asas, dada a possibilidade de o manobrar e aterrar exactamente onde queremos ( quase sempre). Caracteriza-se também pela importancia que se dá à queda livre, aquela parte do salto que ocorre com o paraquedas bem dobrado, dentro do arnês na qual atingimos facilmente 240km/h ou mais!

Talvez agora penses em pessoas que só buscam o limite, radicais, extremos, doidinhos talvez? Mas aqui estás tu, a ler sobre esta modalidade! Há muito mais do que aventura e adrenalina. É um desporto, uma modalidade, que exige dedicação, empenho, camaradagem, espirito de equipa e acima de tudo, muita, mas muita responsabilidade e respeito pelas regras de segurança e pelos nossos companheiros de paraquedismo.

Dentro do paraquedismo desportivo existem diversas disciplinas que se podem dividir em disciplinas em queda livre e disciplinas de calote ( debaixo de um páraquedas aberto), algumas delas mais direccionadas para a competição.

 

Vôo de formação
Também conhecido como "relativo", o vôo de formação envolve paraquedistas em queda-livre de "barriga para baixo" ("belly") qua ao longo do salto executam formações agarrando os braços e pernas dos companheiros de equipa. O vôo de formação pode envolver de um a centenas de paraquedistas.
 
 
Freefly
Freefly pode considerar-se semelhante a acrobacias aéreas, é um vôo tridimensional. Os paraquedistas vôam em todas as direcções e orientações. O mais frequente é voarem de cabeça para baixo ("headdown") ou de pé ("standup"). Podem voar sobre, sob ou em redor dos companheiros. O vôo de formação vertical é um tipo de salto em que os paraquedistas executam formações em "headdown" ou em "standup". 
 
carving
 
Vôo de formação de calotes
Também conhecido como vôo relativo de calotes , os paraquedistas abrem o páraquedas assim que saltam do avião e conduzem as suas calotes ( paraquedas) juntos para construir formações no ar. 
 
forma paraquedas 2 copy
Wingsuit 
Ovôo de wingsuit é uma das disciplinas mais recentes no páraquedismo. O paraquedista usa um fato especializado que funciona como asa entre as pernas e braços, permitindo uma velocidade de descida menor e uma capacidade de voar horizontalmente longas distâncias. 
 wingsuit skydive
Pilotagem de calotes ou Swooping
No swoop os paraquedistas conduzem calotes de alta performance que atingem velocidades de descida e horzontais elevadas. Ao executarem manobras que induzem elevadas velocidades, estes páraquedistas muito experientes, podem planar a centímetros do chão por longas distâncias a velocidades superiores a 100km/h. 
 swoop skydive paraquedas
Skysurf
No skysurf os paraquedistas saltam com uma prancha semelhante a uma prancha de snowbord acoplada aos pés e executa acrobacias aereas durante a queda livre, incluindo camabolhas e voltas. Apesar de ser visualmente apelativa, poucos são os paraquedistas que seguem o desafio desta disciplina.
Freestyle
O Freestyle assemelha-se a uma dança/ginástica em queda livre.
 
Precisão de aterragem 
A precisão de aterragem é uma das mais clássicas e antigas disciplinas em que o objectivo é a aterragem o mais proxima possivel de um "alvo" pré-determinado, usando asas específicas para o efeito, conhecidas como parafoils.